quarta-feira, 24 de agosto de 2011

LETRAS


Letras no poente,

componho palavras exdrúxulas,

sem eco, sem sexo, sem nada.


Leitura de mãos:

a cigana, de olhares oblíquos

e dissimulados, me faz uma promessa.


Ora, ora, ora, era só o que me faltava.


Piso a grama já orvalhada;

cócegas nos pés descalços.

Uma letra caída,

uma letra sobre a grama,

uma letra deixada ao léu.

Um “A” abandonado.


De repente, encontro outra

e mais outra.

Penso que caíram do poente,

depois que o sol se foi.

E a cigana analfabeta

não as quis.


Um papagaio passou voando

e nada disse,

mas o homem a minha frente

articulou uma frase.

─ Procure o resto,

o nome está por aí, inteiro.

Abriu seu guarda-chuva preto

e se foi.

(Não ousei dizer-lhe que não chovia.)


E eu continuo em busca das letras.

Que nome formará?

DADO CARVALHO

24.08.2011 – 23:51h

Nenhum comentário:

Postar um comentário